Layout by:

Fresh Designs

Sábado, 7 de Junho de 2014

Fairytale ~ 11

                - Quem é a Francisca? – Perguntou Rúben.

                - É a namorada do Mateus. – Respondeu Gonçalo.

                - Se ela se tornasse amiga da Catarina, ela estava próxima do Mateus e assim tinhamos alguém próximo dela. – Disse Duarte.

                - É uma boa ideia. – Admitiu Rúben.

                Mateus levantou-se, zangado, e disse:

                - Não vou envolver a Francisca neste mundo. Eu não a quero ver sofrer.

                Mateus saiu porta fora e dirigiu-se ao carro.

                - Liga-nos se precisares de alguma coisa. Sabes onde nos encontrar. – Disse Duarte a Rúben.

                Gonçalo e Duarte levantaram-se e foram-se embora, enquanto que Rúben ficou no café mais alguns minutos.

-------------------------------------

                Francisca batia na porta da frente com força. Mateus estava sozinho em casa, pelo que se apressou a descer as escadas.

                - Já vou! – Gritou Mateus, pisando o último degrau.

                Abriu a porta e Francisca entrou de rompante, dirigindo-se à sala e pousando a sua mala no sofá.

                - Precisamos de falar. – Disse Francisca, virando-se para Mateus, ainda com a mão na porta.

                Mateus fechou a porta e caminhou devagar até à sala.

                - Sobre o quê? – Perguntou Mateus.

                - O Duarte veio contar-me. O vosso plano.

                - Que plano?

                - Ele contou-me o que é que a Catarina quer de ti e também me contou que eu sou a única solução.

                - Não, não és. Porque é que ele foi falar contigo? Eu não quero que tu faças nada.

                - Mateus, - Francisca aproximou-se de Mateus e pousou as suas mãos no peito dele – se eu não fizer isto tu morres. Eu tenho de fazer isto. Eu quero fazê-lo.

                - Francisca, eu não quero. Prefiro morrer a saber que tu estás metida neste mundo. Isto não é para ti. Armas, mortes, ameaças, eu não te quero a viver com isso.

                - Eu já vivo com isso. Ter um namorado nesse mundo faz com que eu também esteja nele de alguma maneira.

                Mateus baixou a cabeça e pousou as mãos na cintura de Francisca, aproximando-a mais de si.

                - Não sei... eu tenho medo por ti...

                - Eu confio em ti. Tu proteges-me. Nunca nada de mal me vai acontecer porque tu vais estar sempre a meu lado.

                Francisca agarrou o queixo de Mateus e fez-lo levantar a cabeça e olhá-la nos olhos, beijando-o.

                - Espero não me arrepender disto.

                Francisca sorriu e beijou-o de novo. Em pouco tempo, o beijo tornou-se mais apaixonado e quando se separaram, Mateus pegou na mão de Francisca e subiram as escadas em direção ao quarto.

----------------------------------------

                Duarte e Gonçalo entaram em casa e sentaram-se na sala a ver televisão quando Mateus desce as escadas, em tronco nu.

                - Porque é que foste falar com ela? – Perguntou Mateus, com um ar bastante sério.

                - Mateus... – Começou Duarte.

                - Não tinhas esse direito! – Interrompeu-o Mateus.

                - Não há outra solução.

                - Tem de haver! Eu vivo para a Francisca. Ela é a minha vida. Se lhe acontece alguma alguma coisa eu...

                A voz de Mateus começou a falhar. Naquele momento, Francisca desceu as escadas, vestindo a t-shirt de Mateus e os calções que trazia vestida quando chegou.

                - Mateus? – Murmurou Francisca, ao ver o namorado com uma lágrima ao canto do olho. – Estás a chorar?

                - Não. É uma alergia. Volta para cima Francisca. Por favor.

                O olhar de Mateus era sério pelo que Francisca não contestou e obedeceu. A meio das escadas, Francisca ouviu um estrondo na sala e correu a ver o que se passava. Duarte estava no chão, com o nariz a sangrar e a pequena mesa de apoio ao lado do sofá estava caida no chão, assim como aquilo que estava pousado nela, incluindo uma jarra de vidro, agora desfeita em pedaços. Mateus estava parado a olhar para Duarte, com a respiração ofegante e o peito a subir e descer compulsivamente. Tinha um olhar de fúria e as faces rosadas. Duarte levantou-se e preparava-se para dar um murro a Mateus mas Gonçalo levantou-se e impediu-o. 


Maятa às 18:32

Link do post | Comentar

4 comentários:
De twilight_pr a 7 de Junho de 2014 às 20:13
As coisas estão mesmo a ficar sérias! Quero saber mais!!!


De Sara a 7 de Junho de 2014 às 22:45
que querido, a chorar :)
eles são amorosos, também quero!



De francis marie a 8 de Junho de 2014 às 12:43
As coisas estão a ficar feias...
Adorei, despacha-te a por mais! *-*


De anna williams a 9 de Junho de 2014 às 14:54
Estou a adorar, :)
Adoro a Francisca e o Mateus!!!!


Comentar post