Layout by:

Fresh Designs

Quinta-feira, 15 de Maio de 2014

Fairytale ~ 10

                - Eu não quero jóias nenhumas. Isso foi só um pretexto para vos trazer aqui. A verdade é que eu vos quero informar de uma coisa.

                Rúben fez uma pausa e continuou.

                - Eu sou membro de um gang. Um gang de família. Só pessoas daquela família é que integravam esse gang. Incluindo maridos e mulheres de pessoas que já lá pertenciam. E foi assim que eu lá fui parar. Eu namorei com a Catarina Mendonça durante 5 anos. Conhecemo-nos desde bebés praticamente.

                - Espera, essa Catarina não é – Começou Duarte, sendo interrompido por Rúben.

                - A que é vossa vizinha, sim é ela. Há uns meses, a irmã dela suicidou-se devido a uma depressão. E todos pensam que a culpa disso é tua, Mateus.

                - Minha? Porquê?

                - Há três anos, tu acabaste a relação com ela e foi isso que desencadeou a depressão. Ela sempre teve problemas de auto-estima e essa foi a gota de água. Ela entrou numa depressão grave e acabou por se suicidar.

                - Eu lembro-me dela... não sabia que ela tinha problemas. Não namorámos assim tanto tempo para o saber.

                - E agora a família dela quer vingança. Por isso mandaram a irmã dela para junto de ti. Assim, ela ganha a tua confiança e mata-te desde dentro, ou seja, ela está próxima de ti e depois apunhala-te pelas costas, literalmente.

                - E porque é que tu nos estás a contar isto? – Perguntou Gonçalo.

                - Porque a Catarina acabou comigo para que pudesse seguir o seu plano. E é óbvio que eu quero vingança. Ela magoou-me e agora é a minha vez de a magoar.

                - Tu sabes que se o gang descobre isto, tu estás morto. – Avisou Duarte.

                - Sei. Também já tinha os dias contados de qualquer maneira. É um gang de família e eu já não sou da família por isso sei que me iam matar.

                - E porque é que havemos de confiar em ti? – Perguntou Mateus.

                - Não sei. Olhem para as provas e tirem as vossas próprias conclusões.

                Os três rapazes entreolharam-se e Mateus suspirou, indeciso.

                - Porque é que armaste isto tudo para falares connosco? Podias ter ido a nossa casa. – Comentou Mateus.

                - A Catarina podia ver-me. Eu tinha de me encontrar com vocês noutro sitio.

-----------------------------------

                - Então o que é que vamos fazer? – Perguntou Gonçalo, encostando-se nas costas da cadeira onde estava sentado, no café mais próximo do local onde estavam antes.

                - Eu matava-a. – Disse Mateus, bruscamente.

                - E depois o gang todo vinha à vossa procura. – Disse Rúben.

                - Também os matamos. Somos quatro. – Disse Mateus.

                - Eles são muitos. Acabavamos nós mortos. – Respondeu Rúben.

                - Então o que é que sugeres? Que eu a ignore? Ela parece ser esperta, não me vai largar. – Perguntou Mateus.

                - Não. Nós temos de fazer a mesma coisa que ela está a fazer. – Sugestionou Rúben.

                - Como assim? – Perguntou Duarte.

                - Nós temos de acabar com ela de dentro para fora. Tu vais ter de alinhar no plano dela Mateus. Torna-te namorado dela e ganhas a confiança dela. Depois, matamo-la e fazes com que pareça um acidente.

                - Rúben, assim a família dela vai suspeitar que fomos nós na mesma. – Disse Gonçalo.

                - Não, não vai. Nós fazemos tudo direito. Eu tenho contactos na polícia e posso fazer com que tudo pareça um mal entendido e depois a polícia acaba por a matar em auto defesa. O meu amigo na polícia já fez isso com outras pessoas e para outros gangs.

                - Vocês estão a esquecer-se de uma coisa muito importante. – Avisou Mateus.

                - O quê? – Perguntou Duarte.

                - Eu não vou acabar com a Francisca e magoá-la por causa disto. Ela não pode saber da história toda como é óbvio, assim torna-se perigoso para ela. Eu não a quero magoar.

                - Não vejo outra solução Mateus. – Suspirou Rúben.

                - E se fosse algum amigo nosso em vez do Mateus? – Sugestionou Gonçalo.

                - Não pode ser. Ela quer tornar-se o mais próxima do Mateus possivel. É ele ou ninguém.

                - E se fosse alguém muito próximo do Mateus? Não como namorado mas como melhor amigo? – Disse Duarte.

                - No que é que tu estás a pensar Duarte? Ou melhor, em quem? – Perguntou Mateus, inclinando-se para a frente de maneira a ficar mais próximo de Duarte.

                - Tu sabes em quem é que eu estou a pensar...

                - Eu não vou envolver a Francisca nisto. Tu sabes bem disso.


Maятa às 21:08

Link do post | Comentar

5 comentários:
De twilight_pr a 15 de Maio de 2014 às 21:39
OMG eu quero saber mais, estou super nervosa!


De Sara a 15 de Maio de 2014 às 21:54
que giro! o mateus é tão querido :)


De anna williams a 16 de Maio de 2014 às 11:21
está super giro!
aiai, os rapazes estão metidos numa grande alhada, vamos ver como saem dela, estou curiosa, posta rápido :)


De francis marie a 17 de Maio de 2014 às 18:53
Omd, o que é que eles vão fazer? o:
Adorei *-*


De Miguel Alexandre Pereira a 22 de Maio de 2014 às 18:17
paras sempre no momento mais emocionante, bolas quero saber no que é que isto vai dar. a história está cada vez melhor, parabéns!


Comentar post