Layout by:

Fresh Designs

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2012

Bad Boy ~ 5

E desde aquele momento, eu e o meu pai criámos uma espécie de laço que tinha ficado perdido ao longo destes anos que estivemos afastados e eu sabia que a partir de agora, nunca mais nos íamos separar.

----------------

            Acordei com o toque do meu telemóvel. Abri os olhos com alguma dificuldade e procurei o telemóvel com as minhas mãos. Enquanto procurava, deitei algumas das coisas pousadas na mesinha de cabeceira ao chão e nem me importei em apanhá-las. Quando finalmente agarrei o telemóvel, nem vi quem me ligava, simplesmente atendi.

            - Estou? – Disse eu, com uma voz ensonada.

            - Estavas a dormir?

            Uma voz doce e terna, veio do outro lado e sorri. Não sabia porquê, mas a sua voz fazia-me sorrir.

            - Porque é que me estás a ligar Mateus? Ainda é super cedo!

            - Cedo? São quase 11h30!

            - O quê?

            E com isto dei um salto da cama. Não costumo acordar assim tão tarde. Sentei-me na borda da cama enquanto falava com Mateus.

            - Eu não costumo acordar assim tão tarde… Ainda bem que me ligaste! Até parece que adivinhaste…

            - Pois. O que é que andaste a fazer ontem à noite para acordares tão tarde? – Mateus finalizou com uma risada brincalhona.

            - Não fiz nada! Tive um dia cansativo, foi isso.

            - Um dia cansativo? O que é que fizeste?

            - Fui almoçar com o meu pai e à tarde fui fazer compras no shopping.

            - Pois… fazer compras é bastante cansativo. – Disse ele, ironicamente.

            - E é! Nem sabes o que eu tive de percorrer até encontrar os calções que eu queria!

            - Pois acredito.

            - Eu tenho de me ir vestir, diz-me porque é que me ligaste.

            - Eu queria perguntar-te uma coisa. Tens alguma coisa para fazer hoje à tarde?

            - Não, não tenho. Já fizeste a pergunta, agora vou desligar. – Disse eu, num tom de brincadeira, sabendo que não era só aquilo que ele me queria dizer.

            - Não! Não era essa a pergunta que eu te queria fazer. Queres ir dar uma volta, hoje?

            - Pode ser…

            - Está bem, então diz-me a tua morada que eu passo por aí para te ir buscar. Às duas e meia da tarde?

            - Sim, pode ser a essa hora e eu mando-te a minha morada por sms.

            - Está bem. Então até logo!

            - Até logo.

            E com isto ele desligou. Eu mandei-lhe a minha morada e logo a seguir fui vestir-me. Vesti os calções de ganga que tinha comprado no dia anterior e uma blusa verde de alças com folhos no decote. Calcei umas sandálias pretas estilo gladiador e penteei o cabelo e deixei-o solto. Fui comer alguma coisa para conseguir aguentar até ao almoço e depois fui ver o meu e-mail. Nada de interessante até ver que tinha um e-mail da Rute. O ‘assunto’ estava em branco e abri o e-mail. Começava por dizer que estava arrependida de ter sido tão dura comigo e disse também que nunca devia ter agido tão exageradamente. Mas explicou dizendo que estava apenas preocupada comigo e que só me queria proteger. E a partir daí as coisas começaram a ir pela colina abaixo. Nos parágrafos seguintes dava mil e uma razões para detestar o Mateus e como ele era mau para mim. Fiquei com tanta raiva! Muitas das coisas que ela dizia eram baseadas em boatos e suposições. Ela sabia perfeitamente que eu não ligava nada a essas coisas e nunca acreditava em nada que não tivesse provas. Num ato de pura fúria e ira, respondi ao e-mail dizendo apenas ‘Tanto mal dizes dele. E não queres que o veja outra vez… Pois adivinha. Vou sair com ele hoje.’ Ainda hesitei antes de carregar no botão de enviar. Depois de o ter enviado, senti culpa. Se calhar não devia ter dito aquilo. Se calhar esta foi a gota de água e nunca mais vamos ser amigas outra vez. Num instante passou o tempo e já era hora de almoçar. Depois de preparar mais uma piza deixada pela minha mãe, arrumei os utensílios que tinha usado e fui para o quarto arranjar-me. Pus alguma base no rosto, rímel e baton cor-de-rosa claro. Preparei a minha mala com tudo aquilo que precisaria e estava prestes a fechar o fecho da carteira quando ouvi a campainha. Corri pelas escadas e quando cheguei à porta, sem pensar, arranjei o cabelo e roupa, de modo a estar tudo perfeito. Abri a porta com um grande sorriso e as minhas bochechas ficaram rosadas e as pernas fraquejaram assim que olhei para os seus olhos castanhos.

            - Olá. – Cumprimentou ele, sorrindo. Usava uma t-shirt branca, como sempre, com decote redondo, umas calças castanhas claras e um blusão preto.

            - Olá. – Respondi eu, um pouco dormente. – Entra.

            Deixei-o passar e fechei a porta. Ele ficou parado, a olhar para a casa e fiquei atrás dele sem saber o que fazer.

            - A tua casa é bonita. – Disse ele, virando-se para mim e sorrindo.

            - Obrigada. – Respondi eu, sorrindo também. – Eu vou lá cima buscar as minhas coisas. Podes sentar-te na sala.

            Eu subi as escadas e ele foi para a sala. Fui ao meu quarto buscar a minha mala, sai do quarto e desci as escadas. Fui à sala de estar e encontrei-o a olhar para as fotos na pequena mesa ao pé da janela. Fui ter com ele.

            - Então, vamos ou não? – Perguntei eu, mal cheguei perto dele.

            - Esta és tu? – Disse ele, apontando para uma foto em que estava eu e os meus pais.

            - Sim, sou. Tinha 6 anos. Foi no jardim zoológico.

            Ele ficou com um ar pensativo e depois finalmente falou.

            - Eu e a minha família íamos lá todos os anos.

            - E já não vão?

            - Não… pelo menos não comigo.

            - Não contigo? Porquê? Porque já és mais velho? Não tens irmãos mais novos?

            Ele virou-se para mim e sorriu.

            - Esquece. Vamos?

            Eu abanei a cabeça, consentindo. Eu voltei-me para a porta e ele seguiu atrás de mim, pondo a sua mão gentilmente nas minhas costas. Sentir o seu toque deu-me arrepios. Saímos de casa e assim que chegámos à rua, ele virou-se de maneira a ficarmos frente a frente.

            - Então, onde vamos? – Perguntou ele.

            - Podíamos ir para aquele lado. Íamos ao parque e depois passávamos pelo café e bebíamos qualquer coisa. – Respondi eu, apontando para o fim da rua, atrás dele.

            Ele sorriu maliciosamente.

            - O que foi? – Perguntei eu, confusa.

            - Tu és muito despachada. Sabes o que queres e não hesitas. Eu gosto disso…

            Eu olhei para baixo, timidamente. Sentia as minhas bochechas e ficar vermelhas e o Mateus agarrou suavemente no meu queixo e fez-me levantar a cabeça.


Maятa às 21:30

Link do post | Comentar

1 comentário:
De francis marie a 11 de Setembro de 2012 às 10:49
Adorei!
O que será que ele vai fazer, se é que ele vai fazer alguma coisa claro x)


Comentar post